review-ac-odyssey-capa

Review Assassin’s Creed Odyssey – Agradando Gregos e talvez Troianos

Assassin’s Creed certamente é uma das franquias mais acusadas de todos os tempos de usar uma fórmula requentada todos os anos em seus jogos, o que resulta em títulos extremamente parecidos com algumas mexidas aqui e ali. Tudo começou a ser diferente a partir de Assassin’s Creed Origins – que ainda não tive a chance de jogar -, onde aspectos de RPG estavam fortemente presentes na jogabilidade. Mas a quem tanto isso agrada? Será que Assassin’s Creed deixou de ser o que sempre foi? Confira!

Ano: 2018
Jogadores: 1
Gênero: Ação, Aventura, RPG
Classificação indicativa: 18 anos
Português: Interface e dublagem
Plataformas: PC, PS4, Xbox One e Switch
Duração: 40 horas (campanha) / 123 horas (100%)

Isso é Sparta

Boas-vindas à Sparta, amigos e amigas. Na minha opinião, uma das melhores ambientações possíveis para um jogo da série Assassin’s Creed. A Grécia antiga é um local fantástico e com uma riqueza gigantesca em sua mitologia. São muitas lendas e aspectos culturais que podem ser explorados, e certamente AC Odyssey traz algumas pinceladas do mundo grego. A história é simplesmente cativante, e pela primeira vez podemos jogar com uma personagem feminina – a qual amigos me indicaram escolher por ser a história canônica.

Além dos gráficos surpreendentes e ambientação magnífica de AC Odyssey, o mapa também é gigantesco como já estamos acostumados a ver nos jogos anteriores. Sou suspeito a falar bem dos cenários, pelo fato de já ter deixado claro de como sou fã da Grécia antiga – tal como sua beleza natural. São diversas ilhas para serem exploradas, como também o oceano no qual podemos mergulhar e descobrir itens embaixo d’água, e até completar missões que requerem contato com o mundo submerso – onde também habitam criaturas hostis. Muitas vezes você vai se pegar apenas admirando o ambiente e ativando o modo foto para clicar cenas de tirar o fôlego.

Opções disponíveis

Inicialmente podemos escolher entre a mulher, Kassandra, ou o homem, Alexios. Apesar das duas opções disponíveis, os acontecimentos centrais do jogo não tem muitas diferenças entre si – seria até inviável por conta de ser um jogo imenso. Como tenho uma regra comigo de manter spoilers longe de todos os meus textos, consigo dizer sem dúvida que a escolha que fiz – Kassandra – me apresentou uma história repleta de reviravoltas e traições que eu não esperava. Personagens que você acreditava estarem do seu lado, posteriormente mostraram sua verdadeira face, encontros que você acaba tendo com pessoas que Kassandra almejava são reveladores, despedidas imprevistas acontecem, e por aí vai. Em meio à trama temos agora opções de resposta nas linhas de diálogos, o que torna dá mais a sensação de poder ao jogador, apesar de minimamente impactante em momentos da história.

Mesmo que a saga AC tenha abandonado há tempos personagens carismáticos, como Ezio, e outros que pareciam completamente necessários pra história rodar, como Desmond Miles, a franquia tomou rumos que não desagradaram meu amor pelo jogo. Esqueca Abstergo, esqueça os ancestrais de Desmond, esqueça tudo: Assassin’s Creed abandonou suas raízes – e isso curiosamente é um bom sinal. Tenha seu foco na época, na ambientação, nos personagens vivenciados e nos relacionamentos ao redor destes.

Números, habilidades e equipáveis

Odyssey sem dúvidas traz aspectos profundos de RPG, e falo com alegria, pois aqui as missões, habilidades liberadas e equipamentos encontrados não estão ali somente para dizer “olha só, implementamos um pouco de RPG no jogo“. O maior sinal disso é o nível do personagem, que tem influência total no equipamento que pode ser usado ou inimigos que são aconselhados para enfrentar. Isso é interessante, pois instiga o jogador de certa forma a buscar tarefas secundárias para subir o nível suficientemente para sobreviver nas missões principais. Podemos ingressar em missões paralelas no quadro de missões localizados pelas cidades ou conversando com pessoas pelo mapa, e algumas tarefas secundárias preciso dizer que realmente oferecem uma mini-história bem bacana e trazem a sensação de variedade na jogabilidade. Também temos aqui uma árvore de habilidades que ajudam completamente na hora do combate ou de abordar um inimigo silenciosamente. Infelizmente os atributos da evolução do personagem ficam restritos realmente às habilidades aprendidas, e não em um aumento por escolha do jogador de força, velocidade, destreza, etc.

Adicionalmente, existe uma bacana seção de mercenários no menu, onde você pode caçar aqueles que estão disponíveis ali e receber uma recompensa por isso. Porém, ao mesmo tempo eles estarão caçando você também, visto que a/o protagonista também atua como mercenário. Algo que vem a calhar nestes momentos é a jogabilidade utilizando a águia de Kassandra, com ela você consegue percorrer o local sobrevoando e localizando inimigos, além de itens importantes para cumprir tarefas de áreas isoladas – fortes, ilhas, etc.

Algo que continua presente neste jogo são os momentos de viagem no navio, mas graças a “Zeus” não temos um excesso desta mecânica como havia em Assassin’s Creed Rogue, então não se preocupe em ter que passar a maior parte de sua aventura refém de um convés – junto a isso, temos a possibilidade de recrutar tripulantes para sua navegação.

Detalhes que incomodaram

Como nem todo jogo está livre de falhas, AC Odyssey peca em alguns pontos que talvez muitos considerem bobeira, mas vale a pena destacar. Um dos que mais me incomodaram foi o excesso de ícones na bússola durante a jogatina, os quais não podem ser desativados (apenas no mapa) e muitas vezes irritam pela quantidade que ficam ali em cima – até mesmo causam confusão visual entre símbolos quaisquer e o da missão principal. Não posso deixar de fora também as telas de carregamento, quando você morre e precisa voltar ao jogo parece uma eternidade. Aliás, quem inventou a navegação pelos menus usando aquela espécie de mouse? No joystick isso fica horrível e impreciso.

Algo que abomino em jogos pagos e principalmente de grandes empresas são as microtransações. Tá certo que quem está jogando não é obrigado a gastar seu dinheiro real nos itens que te ajudam a avançar rapidamente na história, mas não gosto de sentir que o jogo está propositalmente me segurando de alguma forma para me incentivar a adquirir vantagens com dinheiro de verdade – se fosse com dinheiro/pontos obtidos dentro do jogo, como do Ubisoft Club, ok.

Outra coisa foi a dublagem dos personagens secundários, que deixam muito a desejar. Jogando em português do Brasil, a atuação dos personagens de segundo plano são bem ruins, os quais passam o tempo todo uma sensação de leitura da fala – ainda bem que a atuação de Kassandra é excelente. Algo com o qual até hoje a Ubisoft não parece se importar também é a imersão dos diálogos procurando manter a consistência da linguagem falada. Exemplo: você está conversando com um personagem e jogando em português do Brasil, ele fala contigo em português e logo após encerrar a conversa ele começa a falar em grego com uma voz completamente diferente. Isso tira completamente o jogador da imersão, e este “detalhe” acontece desde os primeiros jogos que passaram a ter dublagem – algo que poderia ser resolvido simplesmente com frases genéricas.

Por último e não menos importante, apesar de agora o personagem correr automaticamente, não existe um botão que passe a sensação de correr na velocidade máxima. Como os outros jogos da franquia possuíam este comando, fico constatemente com a sensação de que não estou correndo rapidamente.

Nova roupagem

O jogo ainda carrega o nome da franquia, e a essência sem dúvida continua ali, porém a diferença é nítida dos jogos já consagrados. Considerando que as críticas vinham aumentando ano após ano com o lançamento de novos títulos da franquia por conta da fórmula estar cansada, na minha opinião Odyssey arrisca sem medo e abraça de vez uma receita diferente e que dá muito certo. Apesar de agora termos que nos preocupar com o nível em que nosso personagem está em relação às missões que atendemos e inimigos contidos nelas – adeus, assassinato (quase sempre) instantâneo e lâmina oculta -, não há nada que atrapalhe a jogatina se tratando dos elementos de RPG que atuam em peso desde Assassin’s Creed Origins (2017). Assassin’s Creed Odyssey é aquele jogo que foge completamente da franquia, e você tem duas opções: amar ou odiar. Posso dizer com tranquilidade que simplesmente amei.

Obs.: a versão para Switch está disponível apenas através da nuvem.

Este review foi feito usando uma cópia para Xbox One cedida pela Ubisoft

Assassin's Creed Odyssey

9.5

Nota final

9.5/10

Prós

  • Boa história
  • Jogabilidade diferente
  • O jogo arrisca sem medo
  • Cenários lindos
  • Ambientação excelente

Contras

  • Dublagem dos personagens secundários
  • Muitos ícones impossíveis de desativar na bússola
  • Bugs ocasionais de colisão