review-biomutant-xbox-one-capa

Review Biomutant (Xbox One) – Em busca de vingança

Explore um mundo pós-apocalíptico na pele de um animal geneticamente modificado, faça uso de artes marciais, habilidades mutantes e poderosas armas em um sistema de combate frenético, para conseguir sua vingança ou salvar o que resta desse mundo decadente. Biomutant foi desenvolvido por uma pequena equipe que tentou entregar uma experiência única para os jogadores, repleta de ação e momentos épicos. Mesmo com alguns tropeços, o resultado final da obra é satisfatório e consegue entreter com boas horas de conteúdo.

Desenvolvimento: Experiment 101
Distribuição: THQ Nordic
Jogadores: 1 (local)
Gênero: Ação, Aventura, Rpg
Classificação: 12 anos
Português: Legendas e interface
Plataformas: PC, PS4, Xbox One
Duração: 10 horas (campanha)/33 horas (100%)

Um mundo decadente

Biomutant se situa em um planeta em decadência, destruído por anos de poluição e ganância desenfreada, e o que restou foram ambientes hostis e sobreviventes que sofreram diversas mutações genéticas. Na região em que se passa, há uma praga arruinando a todos, e a árvore da vida, o centro de tudo, está sofrendo por danos às suas raízes, e se for destruída trará a morte de todos consigo.

E como se tudo isso não fosse o suficiente, todas as tribos estão divididas e brigando entre si. Caberá ao jogador decidir o que fazer com cada um desses problemas e definir o destino de tudo e de todos: você trará a luz ou afundará o mundo em escuridão? Deve se unir às tribos ou as destruir? Somos livres para tomar nossas próprias decisões.

Porém nem tudo é perfeito em Biomutant, a história é bem fraca e os personagem sofrem com a falta de carisma e personalidade, tudo parece servir apenas como pano de fundo para nossas explorações. Durante toda a  jornada, os desenvolvedores não conseguiram fazer com que nos apeguemos às figuras que conhecemos, resultando em um potencial desperdiçado.

Toda a história é narrada por uma voz do além, assim como em Fable, e nenhum dos personagens tem uma dublagem propriamente dita, mas apenas vozes e barulhos estranhos, como em Worms e The Sims, por exemplo. Esse idioma próprio só reforça ainda mais o problema de falta de personalidade e carisma. 

Combate frenético e cheio de possibilidades

Um dos pontos altos de Biomutant, sem dúvidas, é seu combate ágil cheio de combinações e ataques especiais, uma bela aliança entre ataques corpo a corpo com armas de fogo e poderosas habilidades mutantes. É muito divertido entrar em conflito contra grupos de inimigos e congelar ou incinerar o cenário, para então finalizar cada um dos sobreviventes com nosso impecável e mortal Wung Fu.

Ao longo da jornada, subimos de nível e coletamos recursos que nos permitem desbloquear vários aprimoramentos para nosso guerreiro animalesco. Aumentar a vida, carisma, inteligência, força, aprender a cuspir projéteis tóxicos nos inimigos, obter todas as habilidades de cada um dos tipos de armas do jogo são alguns dos aprimoramentos, e Biomutant oferece um grande leque de possibilidades quando se trata da sua jogabilidade.

Outro ponto muito bem trabalhado é o seu crafting, pois podemos criar uma variedade de armas e armaduras muito grandes, além de diversas melhorias e modificações, que vão desde armas de fogo a todo tipo de armas brancas como espadas de uma e duas mãos, bumerangues e várias outras opções: a customização é muito vasta.

Explorando um mundo aberto

Nos primeiros minutos fica claro a inspiração de Biomutant em jogos como The Legend of Zelda: Breath of the Wild, principalmente em seu mundo aberto e estrutura, que se baseia em dois grandes pontos: a guerra entre as tribos e em derrotar os quatro grandes chefões, os temíveis devoradores que estão prejudicando a árvore da vida, assim como as grandes bestas do Zelda. Cada uma delas tem uma localização específica no mapa e será necessário um equipamento criado justamente para derrotá-las.

Você é livre para ir aonde quiser, explorar florestas, túneis, ruínas de antigas civilizações humanas, cordilheiras e arquipélagos, etc. Cada um desses locais estará repleto de perigos naturais e criaturas grotescas.

Temos locais quentes, frios, tóxicos ou radioativos, sendo necessário adquirir roupas protetoras específicas para cada um deles. Os cenários de Biomutant são ricos e coloridos, capazes de encher os olhos dos jogadores. A beleza construída pelos desenvolvedores é algo que faz com que fiquemos imersos nesse mortal mundo pós-apocalíptico.

Mas como podemos desbravar esses ambientes em busca dos melhores lootings? Ir a pé é sempre uma possibilidade, mas, caso esteja a fim de um meio de transporte mais confortável, temos diversas montarias que podem ser obtidas como recompensas de missões ou compradas. Já para os ambientes aquáticos, contamos com um jet ski, e para locais tóxicos temos um grandioso mecha de combate. E, para aqueles que gostam de grandes altitudes, utilizar um planador para se locomover é uma ótima opção.

Potencial para mais

Biomutant consegue entregar uma bela obra aos jogadores, através de uma aventura repleta de exploração, cenários belíssimos, perigos mortais, grandes e épicos inimigos, variedade de armas e a liberdade de se tomar decisões. Mesmo com uma história fraca e personagens sem carisma, o jogo conseguirá agradar grande parte dos jogadores que procuram por uma experiência divertida e com bastante conteúdo.

Tudo que foi feito aqui pode não ser uma grande novidade para a indústria, mas acaba entregando algo bem desenvolvido e que pode trazer uma sequência ainda mais grandiosa. Os desenvolvedores conseguiram criar um produto com muito potencial que, com certeza, merece a atenção dos jogadores, mas que ainda não atingiu o seu ápice.

Cópia de Xbox One cedida pelos produtores

Revisão: Jason Ming Hong

Biomutant

8

Nota final

8.0/10

Prós

  • Mundo bem construído
  • Boa jogabilidade
  • Variedade de conteúdo
  • Liberdade de escolhas
  • Muitas opções de armas e habilidades

Contras

  • História deixa a desejar
  • Personagens sem carisma